sábado, janeiro 21, 2006

A minha segunda Prova de Orientação

Já se imaginaram no meio de uma mata de cerca de 386 hectares, onde nunca foram e ter que percorrê-la a pé de acordo com um plano estabelecido? Há sempre a eventualidade de se ficar perdido ;) não para sempre, claro :) (há sempre uma equipa de emergência com ambulâncias e polícia). De mapa, bússula e chip na mão, lá fui eu participar na minha segunda Prova de Orientação (organizada pela Federação Portuguesa de Orientação). É um desporto que me fascina pelas suas características: a surpresa, o contacto com a Natureza, o espírito de cooperação dentro do grupo (três pessoas, no meu caso), a interajuda entre grupos (quando estamos um "bocadinho" perdidos) a resistência perante obstáculos físicos, o aperfeiçoamento do sentido de orientação (é tão fácil, de repente, ficarmos "desnorteados") e a concentração necessária para nos voltarmos a situar.Para não falar que é um desporto extremamente divertido.
Hoje, tal como da primeira vez, também havia provas de competição. Mas eu, claro, fazia parte das provas para amadores :)))). Mas estou convicta que vou chegar ao topo das provas amadoras :)

2 comentários:

Pólux disse...

"E o esplendor dos mapas, caminho abstrato para a imaginação concreta,
Letras e riscos irregulares abrindo para a maravilha.
(…)
Tudo quanto sugere, ou exprime o que não exprime,
Tudo o que diz o que não diz,
E a alma sonha, diferente e distraída.
(…)"
Álvaro de Campos


Desporto e natureza: quilómetros de poesia. :)

Votos de bom desempenho.

Abraço.

Maite disse...

Obrigada Pólux

Sempre oportunas as suas réplicas poéticas :)

Um abraço