segunda-feira, julho 14, 2008

As Amoras

Caminhada 12/07/08
O meu país sabe a amoras bravas
no verão.

Ninguém ignora que não é grande,
nem inteligente, nem elegante o meu país,
mas tem esta voz doce
de quem acorda cedo para cantar nas silvas.

Eugénio de Andrade in O outro nome da Terra

6 comentários:

peregrino disse...

Como estrelas de cristal soltas na noite virgem,
o verbo e o gesto num sabor a morangos e amoras silvestres.
_

Recordaria o roxo das amoras bravas, o saibro dos caminhos e a poeira fina
que escorriam lenta e obliquamente dos labirintos do tempo único.

Recordaria os momentos solares, os sorrisos, os murmúrios,
as palavras antigas, a partilha dos instantes dilacerados...

E soltaria as ferragens das arcas envelhecidas, onde jaziam encouradas
as doces lembranças, os gestos, as horas de silêncio macio…

Na memória partilhada recordaria, assim, no vértice do caminho,
talvez os sorrisos, porventura a dor, quiçá o amor,jamais o vazio.


Gosto muito do poema que nos touxe. Aliás, de todos os de Eugénio.

Com um abraço.

Maite disse...

Caro Peregrino

Obrigada :)

A propósito de estrelas...sabe que ontem presenciei uma noite extraordinária? Uma lua cheia enorme pendurada no céu e uma estrela que eu pensei ser a estrela polar. Se não era, no meu imaginário passou a ser, pois era a mais brilhante de todas :)

Um abraço para si

peregrino disse...

Cara Maite,

Hoje, a Lua ainda está mais cheia - é noite de plenilúnio -, :)e entretém-se, de novo, em amena cavaqueira com Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar. Ou o deus mais importante do panteão romano, claro.

Também gostei de os observar ontem à noite, e como a Maite me lembrou, observo-os agora da minha janela que dá para o Sul. :)

Um abraço e uma noite tranquila para si.

Maite disse...

Caro Peregrino

Jupiter, claro. Como não me lembrei dele! até porque é o planeta regente do meu signo :) (uma espécie de estrela polar) :)
Hoje tenho novamente a Lua Cheia e Jupiter à minha frente, ainda um pouco distantes. Penso que ainda não começaram a conversar :)

Ando de cabeça literalmente no ar à procura da Ursa Menor e da Estrela Polar mas não consigo vê-la. :(

Um abraço e uma noite tranquila para si também

peregrino disse...

Cara Maite


Se observar o céu entre o Poente e o Norte, verá uma estrela de brilho relativamente intenso. É, neste momento, a que mais brilha nos quadrantes que referi (está agora entre o zénite e o horizonte do Poente).

É a estrela Arcturo, da constelação do Boieiro (ou Bootes).

“Arcturus “ significa “cauda da ursa”, o que quer dizer que, se a Maite continuar a observar o céu, para a sua direita, encontrará a cauda da Ursa Maior. E a partir da cauda, chegará ao trapézio que ajuda a definir a constelação. E, como a Maite sabe, se prolongar cerca de 5 vezes, no sentido Oeste Leste, o segmento de recta que une o lado do trapézio oposto à cauda da U. Maior, encontrará a E. Polar.

Se houver muita iluminação pública na sua zona, terá muita dificuldade em ver a Polar, e mesmo todas as estrelas da Ursa Maior. Eu só vejo a Arcturo e 4 estrelas da U. Maior. Não vejo a Polar, neste momento, mas encontro-a facilmente em zonas pouco iluminadas e quando não há poluição no céu.

Um abraço e uma noite tranquila para si.

Maite disse...

Caro Peregrino

Logo à noite vou investigar o céu com as suas pistas :)

Um abraço e um boa tarde de sábado para si